Arquivo do autor:silviocostta

A cesta de Natal

O dia ainda estava escuro enquanto Dorcas despertada pela obrigação, mas embriagada de sono e cansaço, resfolegava o ar da manhã em rápidas passadas rumo à estação de trem. No caminho, algumas pessoas já transitavam sobre as estreitas calçadas provocando … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO

Um sábado, duas da tarde. A fome já não te faz raciocinar, ela te conduz a um único pensamento comida, comida e comida. Isso não é raciocínio! É auto latrocínio fisiológico; pois do contrário jamais te levaria sem pensar até … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A BANALIDADE VENCEU?

   Agora parece oficial, tudo que é banal é destaque; até o que é sério merece descarte.  Aguado feito “água” de sache de reutilizado e profundo tanto quanto a xícara do chá feito do mesmo! Não, mas não se preocupe; … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

DOMINGOS SE FOI NUMA terça-feira

Pois é! Poderia dizer que um domingo é um sempre domingo. Mas quando são vários marcam nossas vidas e, em particular a minha foi marcada em parte pelos domingos com Dominguinhos. Quando criança ouvíamos em casa, em alguma hora da … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

NOTÍCIAS DE TUDO

A sociedade é e já foi analisada verificada, estudada e vista pelo avesso pelos mais nobres ilustres e sumidades, a parte, dos grandes pensadores; sociólogos principalmente. Isso é fato! Neste fato analisa-se ai que sociedade é estudo. Estudo é investimento, … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A REVOLTA DOS PELADOS

Em tempos de manifestações, liberdade, novos anseios pela libertação do ser humano; inclui-se ai, devidamente ou literalmente, agora: o corpo. São os chamados naturistas reivindicando o direito de andarem pelados na rua. Pelados? Nus? Com a genitália desnuda? – Como … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O CINEMA E BRUCE LEE

Era sempre aos domingos. Pegávamos o ônibus, o trem ou íamos a pé mesmo, numa zoeira só. Cinco garotos. Tínhamos entre 13 e 15 anos. Aquela fase em tudo é adrenalina, novidades, brincadeiras de mão, tapas na orelha, besteirol, muita … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário